Principais tendências para o varejo de material de construçã

Dessa forma, esse conteúdo vai abordar o contexto atual do setor e as principais tendências para o varejo de material de construção. Boa leitura!

Contexto atual do varejo de material de construção

Com a volta gradativa, conforme o avanço da vacinação no país após os impactos causados pela pandemia, o varejo de material de construção retomou o desenvolvimento. O Índice de Performance no Varejo aponta para um crescimento de 4% de visitas às lojas físicas do setor, no acumulado do ano até então. Segundo a análise da pesquisa, isso se dá graças ao aumento da quantidade de tempo em casa por conta do home office, consequência direta do isolamento. Além disso, o auxílio oferecido pelo governo, durante esse período, também ajudou a fomentar a economia.

E ainda, de acordo com os dados da Visa, as compras de materiais de construção cresceram 38%, no primeiro trimestre de 2021 se comparado com o mesmo período do ano anterior. Sendo 74% das transações de compra, no pico da pandemia, feitas de forma online. Isso mostra a tendência do crescimento do e-commerce no setor de varejo de material de construção.

É possível ver esse crescimento no setor de varejo como um todo, não somente no de material de construção. Segundo o portal E-commerce, sobre os dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), as vendas online cresceram 11,6%. Um impacto direto causado pelo distanciamento social, consolidando de vez o modelo no país. 

Expectativas do mercado de materiais de construção para os próximos anos


A expectativa para o mercado é de crescimento gradativo graças a mudança de hábito do consumidor gerada pela pandemia. A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) acredita na alta de 4% do PIB da Construção Civil até o fim do ano de 2021. O mesmo relatório apontou para o crescimento de 23,7% do setor do varejo de material de construção.

Apesar do aumento no custo dos materiais por conta da falta de insumos, a pesquisa cita alguns dos principais motivos para a melhora no cenário do setor. São elas:

      Incremento do financiamento imobiliário;

      Taxas de juros ainda em baixo patamar;

      Melhora do ambiente econômico;

      Demanda consistente mesmo com a pandemia;

      Continuidade de pequenas obras e reformas.

Por fim, a Associação Nacional dos Comerciantes de Materiais de Construção (Anamaco), apontada pela UOL, aposta em um crescimento do setor, ainda nesse ano, de 16%. Ou seja, a tendência é de que esse mercado continue se desenvolvendo de maneira escalada.

Principais tendências para o varejo de material de construção

Após todo o contexto apresentado, veja a seguir as principais tendências para o varejo de construção.

Maior digitalização e a adoção do Omnichanel

Como já foi citado anteriormente, com a pandemia os consumidores passaram, cada vez mais, a fazer compras em ambientes online. Contudo, as lojas físicas ainda conservam o seu valor. Visto que, com elas é possível fazer pesquisas ao vivo e até ter experiências mais completas.

Sendo assim, a principal tendência do varejo desse setor está na maior digitalização dos processos e uma aposta no Omnichanel como solução ao distanciamento. E esse é um recurso que veio para ficar.

Ou seja, o Omnichanel é a teoria que explica a necessidade de integração e incentivo a convergência de todos os canais da loja. Isso porque o processo de compra não é feito mais de forma linear.

Dessa maneira, o cliente passa a ser o foco principal com as diversas possibilidades de contato e compra de acordo com as necessidades do mesmo.

Atendimento mais tecnológico

Nessa mesma linha, o atendimento começa a ter mais espaço nas estratégias do negócio. O Omnichanel, por exemplo, por conectar todos os canais da loja, exige um atendimento centrado, unificado e padrão. Assim, o cliente tem as mesmas vivências, não importa o ambiente.

E como ter o melhor atendimento exige esforços, apostar em tecnologias de automação pode ser uma forma de desenvolver ainda mais a sua loja. Logo, chatbots ou até mesmo aplicativos de mensagem são uma dessas soluções.

Foco na experiência do consumidor

Focar na experiência do cliente é uma tendência consequente das anteriores. Isso porque um atendimento de qualidade, seja na loja física ou virtual, traz bons resultados.

Aqui vale ressaltar que a experiência, atualmente, é um fator definitivo para a decisão de compra do consumidor. Isso porque o perfil do consumidor atual está na quarta geração. O que significa que ele é uma pessoa altamente conectada, que busca estabelecer relações com marcas que possuem presença virtual, focadas na personalização e na experiência.

Estratégias de fidelização

Por isso, ter boas estratégias que visam a experiência vão facilitar na fidelização. Como vimos anteriormente, o consumidor tende a, cada vez mais, investir no varejo de material de construção.

Logo, estratégias de vendas e de melhoria de logística, redução na taxa de frete e diminuição de entrega podem ser uma maneira de apostar em boas experiências e, consequentemente, fidelizar o consumidor.

Do mesmo jeito que disponibilizar diferentes formas de pagamentos, como o Pix, por exemplo, também pode ser uma das tendências que facilitarão os processos de compra e ajudarão a gerar apreço pela sua loja.

Por fim, loja de bairro também é listada como uma das estratégias de fidelização do consumidor, já que aposta na conveniência do mesmo.

Uso de tecnologia

A tecnologia pode ser usada, como já foi citado, nas tendências anteriores. Contudo, ela também pode ser uma grande aliada em todos os processos da sua loja de varejo.

É possível usar softwares tecnológicos que auxiliam no controle de estoque e na gestão, por exemplo. Assim, os procedimentos diários da loja passam a ser mais ágeis e eficazes.

E ainda, apostar na criação de aplicativos e outras soluções que facilitem ainda mais a interação entre o cliente e a empresa. Qualquer solução estratégica e tecnológica que ajuda a gerar bons resultados, seja pela experiência ou pela melhora na gestão, são válidas.

A mais nova solução da Americanas é um exemplo para se inspirar, mesmo que não seja de uma loja de material de construção.

A empresa de varejo apostou na criação de uma loja autônoma no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro. Aqui a ideia é fazer com o cliente entre na loja passando o aplicativo Ame (da Americanas) na catraca. Depois, o cliente pode pegar tudo que quiser e sair. Assim que ele estiver do lado de fora, o valor total da compra será depositado na conta do aplicativo que funciona como uma carteira digital.

Aposte em inovação

Esse conteúdo abordou o contexto do varejo de material de construção e os motivos que fizeram essas serem as principais tendências do setor para os próximos anos.

E se você quer saber mais novidades sobre ferramentas e equipamentos para loja de construção baixe gratuitamente o nosso infográfico.

varejo de material de construção

Todos os comentários

  1. Igor

    Muito bom a leitura. Com a pandemia veio uma nova adaptação ao estilo de compras. Acredito que esse ano de 2022 vamos ter aumento em percentual de venda tão bem como 2021 por conta do ecommerce.

Deixe uma resposta